ARTIGOS GOSPEL BRASIL

Como estudar a palavra de Deus ( Bíblia)

Para estudar a Bíblia é necessária a combinação de oração e estudo. Quando falamos em como estudar a Bíblia, primeiramente precisamos lembrar que ela é um livro inspirado por Deus. Portanto, é impossível interpretá-la corretamente sem o auxílio do Espírito Santo.
Todavia, ela também é um livro humano, no sentido de que foi escrita por homens. Por isto ela possui particularidades gramaticais e estilos literários que exigem um estudo cuidadoso. Neste texto, separamos algumas dicas importantes sobre como estudar a Bíblia e interpretá-la corretamente. Certamente essas dicas lhe ajudarão em seu estudo bíblico.

Por que devemos estudar a Bíblia?

Com base no que foi exposto acima acerca das naturezas da Bíblia, podemos claramente entender por que devemos estudá-la. Visto que a Bíblia é a Palavra de Deus, devemos estudá-la com o intuito de entender a mensagem do Senhor para nós. Sob esse aspecto, nenhum outro livro pode ser comparado à Bíblia. Nunca devemos ler e estudar a Bíblia como lemos e estudamos um livro qualquer.
Por outro lado, visto que ela foi escrita por homens, devemos estudar a Bíblia a fim de interpretá-la da maneira mais coerente possível. Precisamos estar atentos às suas características textuais. Então sob esse aspecto, devemos estudar a Bíblia assim como estudamos qualquer outro livro que exige interpretação.

As barreiras no estudo da Bíblia

Por ser um livro divino e ao mesmo tempo humano, ao estudarmos a Bíblia nos deparamos com algumas dificuldades que devem ser superadas. O estudo teológico geralmente chama essas dificuldades de “distanciamentos”.
Esse distanciamento podem ser divididos em duas categorias, pois eles ocorrem tanto no aspecto humano quanto divino. Então estamos sobre distanciamento humano e distanciamento divino. Vamos entender melhor isto a seguir.

O distanciamento humano no estudo da Bíblia

O primeiro distanciamento humano que podemos citar no estudo da Bíblia é aquele ocasionado pelo tempo. O primeiro livro da Bíblia foi escrito há pelo menos 3.500 anos. Já o último foi escrito há 2.000 anos. Claramente isso representa um distanciamento temporal.
Se por um lado as verdades bíblicas devem ser interpretadas como atemporais, isto é, não ficam desatualizadas jamais, por outro lado, ao estudarmos a Bíblia, não podemos negar que estamos diante de um documento muito antigo. Consequentemente, sua interpretação correta precisa considerar essa característica.
Em seguida temos também o distanciamento contextual e cultural. Isso significa que o contexto histórico e a cultura em que a Bíblia foi escrita não existem mais. Portanto, é muito importante conhecer um pouco do mundo e da cultura em que os escritores bíblicos estavam inseridos.
Aqui vale lembrar que muitos textos bíblicos foram escritos para atender e responder questões desse período. No entanto, mais uma vez é importante dizer que apesar de ter sido escrita milênios atrás, a mensagem bíblica é tão relevante para nós hoje quanto foi para um judeu que viveu há dois mil anos. A Palavra de Deus definitivamente não muda! A prova disto é a forma com que os autores neotestamentários aplicaram textos das Escrituras que haviam sido escritos há séculos antes deles. No tempo do Novo Testamento já havia esse tipo de distanciamento em vários aspectos, mas ainda assim a mensagem principal permaneceu a mesma.
Consequentemente, também podemos falar no distanciamento linguístico. Os textos bíblicos foram escritos em três idiomas que não são mais falados. O Antigo Testamento foi escrito em hebraico e alguns trechos em aramaico. Mas até mesmo esse hebraico do tempo bíblico é diferente do hebraico falado atualmente. O Novo Testamento foi escrito em grego, mas esse grego também é de um tipo que não se fala mais na atualidade.
Por último, temos o distanciamento autoral. Nós não temos acesso a nenhum autor bíblico, simplesmente porque todos estão mortos. Assim, diferentemente de um livro atual onde o escritor pode dar uma coletiva de imprensa para explicar alguns pontos difíceis de sua obra, não podemos tirar dúvidas com qualquer um dos escritores bíblicos sobre possíveis dificuldades de interpretação em seus escritos.

O distanciamento divino no estudo da Bíblia

Aqui podemos citar o distanciamento divino sob dois aspectos principais. Primeiramente há um distanciamento natural. Esse distanciamento é o resultado da distância que existe entre nós, humanos limitados em todos os sentidos, e o Deus onisciente. Sem dúvida isto afeta o nosso estudo e interpretação da Bíblia, porque não somos capazes de entender tudo acerca de Deus.
Há também o distanciamento espiritual e moral. Além de sermos criaturas limitadas diante de um Deus Todo-Poderoso, ainda possuímos uma natureza corrompida pelo pecado. Isso significa que muitas vezes a corrupção do homem o leva a distorcer as Escrituras na tentativa de buscar aprovação aos seus sentimentos e comportamentos egoístas e pecaminosos. É por isso que muitas pessoas, ao longo da História, utilizaram a Bíblia para justificar suas atrocidades.
Diante de tudo isso, surge uma pergunta: Como resolver tais dificuldades para estudar a Bíblia e interpretá-la corretamente? Como resposta para esta pergunta, podemos citar o conhecido lema de João Calvino. O reformador dizia: “Orare et labutare!”, isto é, orar e se empenhar no estudo dos textos bíblicos.
Através da oração, pedimos para que o Espírito Santo ilumine o nosso entendimento para que possamos compreender as verdades tão sublimes da Palavra de Deus. Dessa forma podemos superar o distanciamento divino.
Através do estudo, nos dedicamos a alcançar a interpretação correta dos textos bíblicos, considerando suas particularidades textuais. Com isso somos capazes de conseguir superar o distanciamento humano. Portanto, uma interpretação correta das Escrituras sempre irá refletir o equilíbrio entre oração e estudo.

Dicas básicas e práticas sobre como estudar a Bíblia

Montar um roteiro para auxiliar no estudo da Bíblia é um ótimo recurso. A ideia é submeter um determinado texto bíblico a esse roteiro que servirá como um tipo de matriz. Vejamos um exemplo de roteiro básico para nos auxiliar a estudar a Bíblia.
  1. Ao estudar um texto bíblico, primeiramente procure saber quem foi seu autor.
  2. Após descobrir quem escreveu o texto que em estudo, descubra quem foi seu destinatário original.
  3. Identifique em qual gênero o texto estudado se enquadra. Por exemplo: ele é um texto histórico, poético, profético ou uma parábola? Nunca tente interpretar um texto histórico como sendo uma parábola, e assim por diante.
  4. Procure entender qual o sentido principal da mensagem desse texto.
  5. Selecione as palavras que precisam de análise mais cuidadosa com a ajuda de um dicionário.
  6. Leia e entenda o contexto imediato dessa passagem. O contexto imediato é a porção do texto bíblico em que a passagem em questão está inserida, por exemplo, seus versículos precedentes e subsequentes.
  7. Exponha o texto à luz de seu contexto mais amplo, isto é, o capítulo inteiro onde ele está inserido. Inclusive, considere em sua interpretação o contexto do próprio livro como um todo.
  8. Procure identificar as passagens correlatas ao texto que está sendo estudado. Isto significa que você deve considerar outros versículos bíblicos que estão relacionados ao mesmo tema estudado. Certamente essas passagens relacionadas irão lançar luz ao texto estudado e contribuíram positivamente para sua interpretação.
  9. Pesquise sobre o pano de fundo histórico e cultural em que o texto foi escrito. Esse é um dos itens mais difíceis dessa lista, já que exigem um pouco mais de paciência e trabalho de pesquisa. Os comentários, dicionários e enciclopédias bíblicas podem ajudar muito nesta questão.
  10. Identifique qual a conclusão que pode ser tirada do texto estudado
  11. Se houver possibilidade, procure pesquisar se a conclusão que você chegou sobre o texto é a mesma que outras pessoas, comprometidas com o estudo bíblico, também chegaram antes de você.
  12. Mais importante que o item anterior, identifique se tal conclusão está de acordo com o restante das Escrituras. Se houver algum tipo de contradição, certamente sua interpretação está errada e precisará ser refeita.
  13. Após fazer a análise completa do texto estudado, procure responder qual a lição que você pode aplicar à sua vida, transmitida com a interpretação desse texto.

O que é preciso para estudar a Bíblia e interpretá-la corretamente?

Quando falamos sobre como estudar a Bíblia, é importante que se conheça alguns pressupostos que norteiam a nossa interpretação. Esses pressupostos garantem que estudemos a Bíblia de maneira correta, entendendo o que realmente ela é.

1. Ao estudar a Bíblia, saiba o que ela realmente é

Alguns críticos alegam que a Bíblia apenas contém a Palavra de Deus. Isto está errado! A verdade é que a Bíblia é a Palavra de Deus. Isso significa que ela é plenamente inspirada, e não possui erros e contradições. A Bíblia é inspirada, inerrante, infalível e autoritativa.
Todavia, quando dizemos que Bíblia é inerrante e infalível, não estamos nos referindo às diversas traduções disponíveis, mas aos autógrafos. Os autógrafos são os textos originais escritos pelos homens que foram inspirados por Deus.
Assim, não negamos que houve possíveis erros de copistas ao longo dos séculos. No entanto, a Bíblia é o livro mais bem documentado que existe. Ela conta com uma variedade de cópias confiáveis muito grande, e no geral, apenas aproximadamente 3% de todo seu conteúdo possui algum tipo de debate com relação à originalidade do que foi copiado. Além disso, essa pequena porção não afeta, de forma alguma, as doutrinas bíblicas centrais da fé cristã.

2. Ao estudar a Bíblia, saiba que sua revelação é progressiva

A revelação de Deus registrada na Bíblia não foi dada de uma só vez. Deus se revelou progressivamente! Isto implica na verdade de que, apesar de existir uma unidade básica nas Escrituras, também existe um desenvolvimento.
É por isso que podemos dizer que o Antigo Testamento deve ser interpretado à luz do Novo Testamento. Por exemplo: no Antigo Testamento lemos sobre a importância do sacerdócio levítico. Mas no Novo Testamento descobrimos que esse sacerdócio era temporário, e servia para apontar para o sacerdócio perfeito e definitivo de Cristo, nosso Sumo Sacerdote. O escritor da carta aos Hebreus foi o que mais falou sobre isso.

3. Ao estudar a Bíblia, saiba que ela conta a história da redenção

A Bíblia é um livro teológico, ou seja, do começo ao fim ela relata os atos de Deus no decorrer da história, a fim de redimir o seu povo. Logo, não devemos procurar na Bíblia fábulas, contos, ou mesmo um livro que tem objetivos históricos, arqueológicos e científicos. Certamente a Bíblia é uma fonte de registro de eventos históricos, mas sua grande mensagem é a história da redenção.
Aqui também vale notar que a Bíblia utiliza a linguagem do observador, e não uma linguagem cientifica. Alguns dos supostos erros apontados pelos críticos acerca do texto bíblico, estão fundamentados justamente na falha em perceber essa verdade.
Por exemplo: alguns alegam que é um erro a narrativa do livro de Josué que diz que o sol parou, pois na verdade a Terra é quem gira em torno do sol. A questão é que esse texto bíblico não se propõe a explicar a dinâmica de nossa galaxia. Ele apenas demonstra, pelo ponto de vista do observador, a providência divina.
Mesmo depois de tantos anos, e da ciência ter provado que é a Terra quem se move, ainda assim utilizamos esse tipo de percepção ao dizer que o sol nasce de um lado e se põe de outro.

4. Ao estudar a Bíblia, saiba que Cristo é o centro dela

De Gênesis a Apocalipse Cristo é o foco principal das Escrituras. Definitivamente a Bíblia é cristocêntrica! Isso significa que a História que é registrada e contada na Bíblia, aponta, em todos os seus ângulos, para a pessoa de Cristo.
O Antigo Testamento revela claramente a promessa acerca do Messias prometido, o Filho de Deus enviado ao mundo para resgatar o seu povo. Já no Novo Testamento registra em detalhe o cumprimento dessa promessa.

5. Ao estudar a Bíblia, saiba que ela está completa

O cânon bíblico está fechado, ou seja, nada mais pode ser adicionado a ele. Apenas esse cânon, que significa a coleção de livros que compõe as Sagradas Escrituras, foi reconhecido pela Igreja como inspirado. Ele não necessita de qualquer complemento!
Como fonte de consulta histórica, até podemos utilizar algum texto extra-bíblico para nos ajudar a estudar a Bíblia. Porém nunca esse tipo de texto pode ser equiparado ao texto bíblico e tido como inspirado.

6. Ao estudar a Bíblia, devemos pedir que nosso entendimento seja iluminado

Aqui é importante saber que existe uma grande diferença entre três conceitos que são muito utilizados de forma equivocada: revelação, inspiração e iluminação.
Esses três conceitos se referem à ação do Espírito Santo na comunicação da Palavra de Deus. Os dois primeiros estão estritamente relacionados aos autores que foram escolhidos por Deus para escreverem as Escrituras. Já o terceiro está relacionado a nós.
Primeiramente, o Espírito revelou a verdade de Deus a esses homens, e os inspirou a escrever essa revelação de Deus. Por ser inspirado, o registro feito por essas pessoas é infalível. Portanto, os escritores bíblicos receberam a iluminação e a inspiração.
Quanto a nós, resta-nos orar para que o Espírito Santo ilumine nosso entendimento para que possamos compreender as verdades reveladas nas Escrituras. Portanto, não devemos pedir pela revelação da Palavra, pois ela já está revelada. Também não devemos pedir por inspiração, pois os autores bíblicos já foram inspirados a escrevê-la.
Devemos orar unicamente pela iluminação do Espírito de Deus, para que possamos ler e compreender aquilo que já foi revelado e registrado de forma inspirada, isto é, as Escrituras. Portanto, o Espírito Santo é o nosso melhor professor quando estudamos a Bíblia.

7. Estude a Bíblia sabendo que ela é a sua melhor intérprete

Realmente existem passagens difíceis na Bíblia. Porém, normalmente uma aplicação correta de outros textos bíblicos lançará luz sobre um determinado texto que apresenta alguma dificuldade de interpretação.
Apesar de comentários bíblicos, dicionários e materiais de apoio serem muito importantes no estudo da Bíblia, todos eles são passíveis de erro. Então se porventura, em algum ponto, eles contradizerem as Escrituras, eles devem ser rejeitados.
No entanto, aqui vale uma observação de que os materiais teológicos que já foram produzidos até agora são muito ricos, e certamente devem ser apreciados. Algumas pessoas tem adotado um radicalismo descabido para rejeitar qualquer material de apoio à interpretação bíblica.
Precisamos saber que antes de nós, muitos homens de Deus, cristãos piedosos, dedicaram suas vidas inteiras a estudar as Escrituras. Eles se empenharam em documentar seus estudos para auxiliar outras pessoas. Como foi dito, tudo precisa ser submetido a uma análise à luz da Palavra de Deus, e obviamente ser retido aquilo que há de bom.

8. Ao estudar a Bíblia, saiba que nela não há códigos e mensagens ocultas

Desde muito tempo pessoas tem se esforçado para tentar defender que a Bíblia possui mensagens criptografas, e sentidos ocultos. Mas todo bom estudante da Bíblia precisa saber que ela é a Palavra de Deus revelada, e não escondida.
O objetivo de Deus foi se revelar de forma especial através das Escrituras, e não produzir um livro de enigmas que somente algumas poucas pessoas poderão entender. Claro que existem passagens difíceis, mas não são códigos ou mensagens ocultas.

9. Estude a Bíblia sabendo que um texto diz o que ele diz

Essa questão está diretamente relacionada ao tópico anterior, e implica na verdade de que um texto possui apenas um único significado. Algumas pessoas estudam a Bíblia de forma errada simplesmente porque tentam ficar procurando sentidos e significados que não existem no texto. O resultado disso é geralmente uma interpretação fantasiosa, carregada de alegorias e super-espiritualizada.
Esse tipo de interpretação é profundamente equivocado. A interpretação mais simples possível é geralmente a melhor. Aqui devemos nos lembrar de que a Bíblia não foi escrita tendo como alvos apenas eruditos e estudiosos. A Bíblia foi escrita para que pessoas comuns pudessem abri-la e de forma bastante clara entender sua mensagem principal.
Vale também dizer que, apesar de haver um único sentido e significado num determinado texto, sua aplicação pode ser bastante ampla. Logo, é possível interpretar o texto da única forma correta possível e aplicá-lo de formas diferentes.

10. Ao estudar a Bíblia, avalie sua interpretação

É comum algumas pessoas tentarem extrapolar o que o texto Bíblico está dizendo. Esse tipo de comportamento é um dos mais prejudiciais, pois adiciona ideias que não estão na Bíblia. Outras pessoas ainda procuram alegar que tiveram uma suposta revelação acerca de uma determinada interpretação de um texto bíblico que ninguém mais a teve.
Já ouvi muitas pessoas dizendo que Deus revelou a eles a verdadeira interpretação de um texto, uma interpretação nunca antes revelada. Claro que se isso fosse verdade, então o que tal pessoa diz deveria ser incluído no cânon bíblico, pois ela recebeu uma revelação igualmente aos escritores bíblicos.
A verdade é que devemos nos calar onde a Bíblia se cala, ao invés de tentar se orgulhar de novas descobertas acerca das doutrinas bíblicas. O que precisava ser revelado já foi revelado e está na Bíblia! Agora cabe a nós submeter a nossa interpretação bíblica às próprias verdades reveladas nela. O que for além do que está escrito, então deve ser rejeitado.

11. Ao estudar a Bíblia, não seja superficial

Algumas pessoas se preocupam muito com prazos. Elas querem cumprir um programa de estudo num determinado período de tempo.
Apesar de ser importante manter um cronograma com algumas metas a serem cumpridas, tal programação não pode jamais pressionar o ritmo de nossos estudos. Caso isso ocorra, nosso estudo da Bíblia serpa raso e superficial. Não procure pular as etapas de uma interpretação bíblica sadia, pois certamente o resultado será um estudo pobre, confuso e, em muitos casos, completamente problemático.
Portanto, busque se aprofundar no texto bíblico. Se empenhe em analisar cada um de seus detalhes. Naturalmente você será levado a uma interpretação sólida, e com uma aplicação marcante por toda sua vida.

Materiais de auxílio no estudo da Bíblia

Certamente existem muitos recursos que podem ser utilizados para nos auxiliar a estudar a Bíblia Sagrada. Vejamos alguns deles.

1. Diferentes traduções da Bíblia

Ao estudar a Bíblia, é essencial dispor de uma boa tradução. Existem muitas traduções disponíveis em português, que no geral são muito boas e estão comprometidas com o idioma original.
É interessante que o estudante da Bíblia tenha acesso a diferentes traduções a fim de compará-las. Isso facilita o entendimento acerca de determinado texto. O preço das traduções é bastante acessível, além de que existem diversos sites e aplicativos que oferecem gratuitamente esse recurso. Portanto, não há desculpas para não utilizar essa dica. Em outro texto também falei um pouco mais sobre qual a melhor tradução da Bíblia em português, e quais as diferenças entre elas. Vale a pena ler.

2. Dicionário de português

Um bom dicionário de português é bastante útil na interpretação da Bíblia. Apesar de seu texto original não ser o português, a tradução que utilizamos está em português. Logo, sempre pode surgir alguma dúvida em determinados termos utilizados.
Aqui também vale a mesma facilidade mencionada no tópico anterior. Existem bons dicionários oferecidos por websites e aplicativos para dispositivos móveis.

3. Dicionário e concordância dos idiomas originais

Existem dicionários que se propõe a lançar luz sobre os idiomas originais em que os textos bíblicos foram escritos. Um dos mais conhecidos é a Concordância de Strong.
Apesar de esse tipo de ferramenta ser bastante útil, é preciso que seja utilizado com certo cuidado. Não basta apenas conhecer o significado de um termo específico, mas é preciso interpretá-lo corretamente à luz de seu contexto.

4. Bíblias de estudo

Atualmente encontramos uma variedade muito grande de Bíblias comentadas, ou seja, as famosas Bíblias de Estudo. Esse tipo de material também precisa ser utilizado com atenção, pois as notas de estudo obviamente irão transmitir os conceitos de seu autor ou de uma comissão específica que ficou responsável por elaborá-la.
Em alguns casos essas notas mais podem atrapalhar do que ajudar. Também vale saber que muitas vezes uma Bíblia de Estudo é desenvolvida a fim de transmitir a linha teológica de uma determinada denominação ou segmento dentro do cristianismo. Isto também contribui para uma interpretação tendenciosa em determinadas situações.
No demais, quando bem escolhida, uma Bíblia de Estudo pode ser muito interessante para ajudar o estudante da Bíblia. Como exemplo de Bíblia que possui de forma geral boas notas de rodapé, podemos citar a Bíblia de Estudo NVI.
Através de Bíblia de Estudo, também é possível ter uma noção básica das diferentes linhas teológicas, e até compará-las. Por exemplo: a Bíblia de Estudo de Genebra possui ótimos comentários e se baseia no aliancismo, transmitindo muito bem a doutrina reformada clássica. Já a Bíblia de Estudo Pentecostal tem seus comentários baseados no sistema dispensacionalista, e apresenta de forma geral o pensamento do movimento pentecostal.

5. Comentários bíblicos

Os comentários bíblicos também são importantes para nos auxiliar a estudar a Bíblia e interpretá-la corretamente. Assim como acontece com as Bíblias de estudo, os comentários bíblicos também precisam ser escolhidos e utilizados com atenção e cautela.
Existem bons comentários do Antigo e do Novo Testamento. Alguns desses comentários são bem antigos, outros são mais modernos. Da época dos reformadores, por exemplo, temos excelentes comentários de Lutero e João Calvino.
Um comentário incrível do Novo Testamento, é a coleção escrita pelo pastor William Hendriksen, e que foram concluídos por Simon Kirstemaker. Particularmente penso que Hendriksen foi um dos maiores expositores do Novo Testamento na história da Igreja, e seu comentário é o melhor já disponível em português.
Outra série de comentários que vale ser destacada é aquela produzida por John R. W. Stott. Mais recentemente, o Reverendo Hernandes dias Lopes também lançou uma coleção de comentários expositivos que é ótima.

4. Livros diversos

Bons livros de abordagens variadas também podem nos ajudar muito a estudar a Bíblia. Quando se há possibilidade, é altamente recomendada a leitura de livros que se propõe a fazer uma introdução ao Antigo e o Novo Testamento. Existem também bons livros de hermenêutica e de conhecimentos específicos da teologia sistemática. Esses livros abortam diretamente a escatologia bíblica, a teontologia, a soteriologia etc.
Falando em hermenêutica, muitos leitores me perguntam sobre uma indicação de um bom livro nessa área. Sem dúvida um ótimo material, bastante acessível e que possui uma leitura muito fácil, é o livro A Bíblia e seus Intérpretes, do Rev. Augustus Nicodemus Lopes.
Atualmente há também muitos e-books e cursos online que nos auxiliam na tarefa de estudar a Bíblia. A vantagem é que o custo desse tipo de material é bem menor. Quem tiver interesse, aqui indicamos também alguns cursos bíblicos digitais.

5. Recursos digitais

Estamos na era da informação, e a internet possibilitou que muita gente tivesse acesso a muita informação que antes estava bem reservada. Hoje existem bons sites, aplicativos para celulares e canais de vídeos que oferecem ótimos estudos bíblicos produzidos por homens de Deus comprometidos com as Escrituras.
Além disso, muitos desses sites, aplicativos e canais, possibilitam o envio de dúvidas de seus leitores, que serão respondidas por pessoas que geralmente dedicam suas vidas ao estudo das Escrituras. Vale a pena pesquisar, selecionar aqueles que se adequam as doutrinas bíblicas, e acompanhar os estudos bíblicos disponibilizados por eles. Claro que aqui não poderíamos deixar de indicar o nosso próprio aplicativo de estudo bíblico.

Conclusão sobre como estudar a Bíblia

Por mais que estudar a Bíblia pareça ser uma tarefa árdua e difícil, certamente ela é muito gratificante e representa um privilégio enorme do qual desfrutamos.
Além disso, tantas especificações não significam que apenas teólogos e estudiosos conseguem estudar a Bíblia e interpretá-la corretamente. Ao contrário disto, a mensagem do Evangelho de que “Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”, é bastante clara a qualquer pessoa (João 3:16).
Como estudar a palavra de Deus ( Bíblia) Como estudar a palavra de Deus ( Bíblia) Reviewed by Pastor Ivo Costa on setembro 22, 2018 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.